O MESTRE DO ZOHAR: SÉCULO I

No final do século I o império romano ocupou a terra de Israel e sua população foi dizimada. Um dos maiores cabalistas de toda a história, Simeon Bar Yohai, foi então sentenciado à morte pelo imperador Romano Trajano.

Ele teve que se esconder em uma caverna em Piquin, Israel, por onde permaneceu treze anos, junto a seu filho Eleazar. Durante este período Simeon se tornou um homem etéreo e recebeu, sob orientação do profeta Elias, as informações que compõem o Zohar.

Quando o imperador finalmente morreu, eles abandonaram o esconderijo, e o rabino Simeon logo juntou um grande número de discípulos, transmitindo ensinamentos baseados na unicidade de todas as almas com o divino. Seus discípulos registraram todos os seus ensinamentos escrevendo o Zohar, reconhecido como uma das principais referências de conhecimento sobre a Cabala.

Os manuscritos foram ocultos após a morte de Simeon. Mas ele era um profeta e havia escrito no próprio Zohar que este período de ocultação duraria 1.200 anos, tendo início quando da destruição do Templo Sagrado em Jerusalém.

Em 1.270, exatos 1.200 anos mais tarde, o texto foi encontrado em uma caverna, pelos árabes que residiam na área. Foi reconhecido pelo cabalista chamado Moses Deleon, que havia comprado um peixe embrulhado naquele papel de incalculável valor. A partir daí o Zohar começou a ser revelado para o mundo.